Reunión Especializada de Ciencia y Tecnología del MERCOSUR
Mercosul Mercosul

As reuniões para definir as regras que nortearão a Área de Livre Comércio das Américas (Alca) mostram que há muitos interesses em jogo, que precisam ser resolvidos entre os países membros.

Para o Brasil, é fundamental defender um acordo equilibrado, com vantagens bem distribuídas entre todas as nações envolvidas.A questão não é sim ou não a Alca, mas qual a Alca que desejamos. Queremos uma Alca que atenda a nossos interesses (...) ou queremos uma Alca a qualquer preço, reflete o Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. Quem decide a direção das negociações brasileiras na Alca.

Por ser um tema de natureza econômica e política, a Alca está sendo intensamente discutida com a equipe econômica e demais áreas do Governo Federal relacionadas ao assunto. A coordenação é do Ministério das Relações Exteriores, que executa a política de negociação definida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Qual a posição adotada pelo Brasil na última reunião. No último encontro sobre a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), realizado em Trinidad e Tobago, o Brasil reafirmou sua posição na mesa de negociações. Sua decisão é de só aceitar discutir temas pautados por outros países se matérias de seu interesse também forem levadas à mesa de discussão. Dos temas em jogo, os mais relevantes para o País referem-se aos subsídios agrícolas e à eliminação de barreiras tarifárias. Qual a posição adotada pelos Estados Unidos. Os Estados Unidos deram o ritmo e a direção das negociações ao adotar uma posição que não atende aos interesses do Brasil e de muitos países. EUA não quer discutir agricultura, aonde pratica subsídio, dumping, protecionismo.Mas quer que sejam aceitas discussões sobre propriedade intelectual, investimentos ou compras governamentais. Se os EUA levam para a Organização Mundial do Comércio (OMC) a discussão da agricultura, é natural que o Brasil queira levar para a OMC a discussão de investimentos, compras governamentais ou propriedade intelectual. Mesmo tendo responsabilidade na condução das negociações, por ser co-presidente da Alca, o Brasil tem que defender os interesses nacionais. Por que há tantas divergências entre as demandas dos países?Há países que não estão preocupados com a produção de medicamentos genéricos ou em manter uma legislação própria em direito autoral (estão prontos para aceitar a de outros países), e há outros dispostos a aceitar regras de serviços que limitem até a liberdade de regulamentação em certos campos - como educação, saúde e telecomunicações. Mas há países que têm estas preocupações e, por isto, o consenso é difícil de ser alcançado.

No caso do Brasil, a posição defendida pelo Governo Federal considera que o país é grande e complexo demais para, desde já, assumir compromissos que limitem a capacidade de definição de políticas industriais, tecnológicas e sociais.Mas isto não significa que as relações comerciais brasileiras com outros países devem ser afetadas. O que o Brasil busca nas negociações? O País não está barganhando e nem sendo intransigente. Busca apenas encontrar soluções práticas para algumas questões, tendo em vista que outros países tiraram da pauta temas que são relevantes como os subsídios agrícolas e antidumping. Vale ressaltar que a posição defendida pelo Brasil na reunião sobre a Alca visa uma negociação soberana, que leve em conta os interesses brasileiros de longo prazo e os interesses comerciais de curto prazo.